Verme - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Verme


  Invertebrados

Muito variado, o habitat dos vermes pode ser o solo, onde esses animais executam notável trabalho de aeração e fertilização; os leitos marinhos próximos ao litoral; o fundo de charcos e lagoas; e os músculos e intestinos dos animais que infectam.
Verme é a designação que recebe qualquer animal invertebrado pertencente aos filos dos anelídeos, platelmintos, nemertinos, asquelmintos, priapulídeos, sipunculídeos, equiurídeos, acantocéfalos, pogonóforos, quetógnatos e foronídeos. Os de corpo cilíndrico, como os nematódios, são também chamados lombrigas.


Aspectos gerais. O corpo dos vermes é mole e tem forma alongada. Esses animais são em geral desprovidos de apêndices e patas e se deslocam como répteis. Não têm esqueleto interno ou externo, mas alguns apresentam epidermes de maior ou menor resistência. Deve-se a criação do termo verme ao sueco Lineu, autor do sistema de classificação de animais e plantas que, com poucas modificações, continua a ser usado. Como vermes eram classificados os tardígrados (hoje incluídos entre os artrópodes), cirripídeos (atualmente incluídos na classe dos crustáceos), nematódios, priapulídeos, oligoquetas, sanguessugas, moluscos, lampreias etc.
O aperfeiçoamento do microscópio permitiu o estudo dos órgãos internos desses animais, o que levou à conclusão de que muitos deles deveriam constituir filos e classes independentes. Ao longo do século XIX foram diferenciados os anelídeos, os platelmintos, que englobam os cestóides (tênias) e os trematódios; os asquelmintos -- nematelmintos ou vermes cilíndricos sem verdadeira cavidade interna, e os nemertinos --, todos filos pertencentes ao sub-reino dos metazoários. Na segunda metade do século XX, os priapulídeos, considerados uma classe de asquelmintos, passaram a ser classificados como filo.

Anelídeos. O filo dos anelídeos agrupa os vermes mais evoluídos, que possuem uma verdadeira cavidade interna ou celoma. Seu corpo é dividido em segmentos ou metâmeros, e em cada um deles existem estruturas orgânicas que se repetem, como os dutos excretores (nefrídios) e os gânglios nervosos. Exemplos de anelídeos são as minhocas e as sanguessugas.


Platelmintos. O filo dos platelmintos é formado por invertebrados alongados e de corpo achatado, alguns unissegmentados e com aspecto foliáceo (classe dos trematódios), outros em forma de fita e plurissegmentados (classe dos cestóides). O aparelho digestivo dos platelmintos é incompleto (sem ânus) ou ausente (nos cestóides ou na ordem acoela, da classe dos turbelários). Esses animais têm simetria bilateral, não apresentam sistema esquelético, circulatório ou respiratório (a respiração é cutânea), e seu sistema nervoso consta de um par de gânglios anteriores ou um anel nervoso conectado a cordões nervosos longitudinais com comissuras.
Quase todos são hermafroditas (cada indivíduo possui os dois sexos) e celomados. Podem viver livres no mar ou na água doce, como os turbelários, alguns dos quais exibem um brilhante colorido, ou como parasitas internos de moluscos, ruminantes, herbívoros e também do homem.
As planárias são os principais representantes da classe dos turbelários. Habitam águas doces, evitam luz forte e locomovem-se por deslizamento. Sua reprodução pode ser sexuada ou assexuada -- a divisão transversal do corpo dá origem a dois animais. Sua grande capacidade de regeneração permite substituir partes do corpo perdidas.
Os platelmintos parasitos incluem os animais das classes dos cestóides e dos trematódios. O corpo dos trematódios é geralmente revestido de uma cutícula secretada por células adjacentes e não-ciliadas. Apresentam em geral uma ventosa ao redor da boca e outras na superfície ventral. Entre os trematódios, a espécie Fasciola hepatica, por exemplo, vive várias fases larvares, algumas das quais se hospedam em caracóis e outra em ruminantes.
Os cestóides têm corpo em geral delgado, alongado, chato e dividido em muitos segmentos. Não apresentam revestimento ciliar e possuem órgãos fixadores na extremidade anterior do corpo. Os adultos parasitam o intestino dos vertebrados, e as larvas, o tecido de algum hospedeiro intermediário. São exemplos de cestóides a tênia da vaca (Taenia saginata); a tênia do porco ou solitária (T. solium), que infecta o porco e, através dele, o homem, se este ingere a carne suína contaminada e mal cozida; e a tênia do cão (T. echinococcus ou Echinococcus granulosus), que em sua fase larvar parasita o homem, entre outros animais, e forma os quistos hidáticos.


Asquelmintos. Conhecidos durante muito tempo como nematelmintos, os asquelmintos são vermes pseudocelomados cilíndricos ou em forma de saco. Distinguem-se cinco classes de asquelmintos: rotíferos, gastrotríquios, quinorrincos, nematódios e nematomorfos. Os rotíferos são microscópicos e vivem na água doce. Caracterizam-se por possuir uma pequena coroa de pestanas vibráteis em torno da boca e uma epiderme externa que cobre músculos cuja função é invaginar a coroa de cílios ou contrair o pé.
Microscópicos também são os quinorrincos e os gastrotríquios, animais com corpo em forma de saco. Os primeiros são revestidos de uma cutícula quitinosa não-ciliada, mas com espinhos dorsais e laterais. Já os gastrotríquios têm a superfície geralmente espinhosa, escamosa ou verrucosa.
Os nematódios constituem a principal classe dos asquelmintos: são abundantes no solo, para cuja fertilidade contribuem, ou são parasitas, como ocorre com a lombriga intestinal (Ascaris lumbricoides), a lombriga das crianças (Enterobius vermicularis) e a triquina (Trichinella spiralis). Os nematomorfos também são endoparasitos na fase larvar, mas têm vida livre quando adultos. Seu corpo é cilíndrico, arredondado nas extremidades e não-segmentado e pode medir de um a setenta centímetros de comprimento.


Priapulídeos. Animais marinhos de corpo cilíndrico que podem medir até 15cm de comprimento, os priapulídeos são parasitos longos e finos de insetos e crustáceos. Os animais maiores habitam os mares gelados, enquanto os menores, com alguns milímetros de comprimento, vivem em mares de águas quentes.


Sipunculídeos. Pequenos vermes marinhos não-segmentados, os sipunculídeos podem ter até trinta centímetros de comprimento. Embora raros, podem ser encontrados em mares rasos, na areia ou no lodo.


Equiurídeos. Os invertebrados marinhos do filo dos equiurídeos têm o corpo mole, em forma de salsicha e apresentam uma prosbócide anterior, longa, flexível e contrátil, usada para obter alimentos.


Acantocéfalos.Quando adultos, os acantocéfalos habitam o intestino de vertebrados. Como larvas, são parasitos de artrópodes. Têm uma probóscide anterior cilíndrica com espinhos recurvados, usados na fixação do animal no hospedeiro.

Pogonóforos. Invertebrados marinhos, os pogonóforos têm o corpo em forma de tubo cilíndrico muito longo e fino. Vivem no fundo do mar, em tubos quitinosos de até 15cm de comprimento.

Quetógnatos. Também marinhos, os quetógnatos são pequenos e têm o corpo alongado e com nadadeiras laterais. Algumas espécies constituem parte fundamental do plâncton oceânico.

Foronídeos. Habitantes do fundo de mares rasos, os foronídeos vivem abrigados em tubos quitinosos, secretados por glândulas especiais e que se fixam a conchas ou são enterrados na areia.


Veja também: