Tatu - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Tatu


  Taxonomia

Já identificáveis no paleoceno, os tatus, entre os animais sul-americanos, foram dos que mais cedo adquiriram a feição atual. Caracterizam-se pela couraça articulada, revestida de placas ósseas e formada por dois grandes escudos, um no ombro e outro na anca, que se interligam por uma série de cintas transversais móveis, em número variável, conforme a espécie, de 3 a 13.

Tatu é um mamífero da família dos dasipodídeos, ordem dos desdentados, a mesma dos tamanduás e preguiças. Contudo, os tatus só não têm dentes na frente: podem apresentar de 7 a 25 pequenos mas eficientes dentes em cada lado da boca. Com as patas curtas, de quatro ou cinco dedos com garras, os tatus rapidamente escavam tocas e túneis, quer à procura de alimento (insetos, minhocas, larvas), quer como abrigos temporários ou para a reprodução.

Uma das espécies de mais ampla dispersão no Brasil é o tatuetê ou tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), de nove cintas de articulação da couraça e quatro dedos, que mede cerca de 45cm, com mais trinta centímetros de cauda. Tem orelhas longas, bem juntas no alto da cabeça, e o focinho fino. É uma das espécies em que a cada parto da fêmea todos os filhotes nascem do mesmo sexo, por provirem de um mesmo óvulo. Esse fenômeno denomina-se poliembrionia.

O tatu-peludo ou tatu-peba (Euphractus sexcinctus), de seis cintas, com pêlos ásperos e longos em várias partes do corpo, que mede cerca de cinqüenta centímetros, é mais comum na Amazônia e países do norte da América do Sul. Além de insetos e minhocas, come milho, mandioca, amendoim e carniça. O tatu-bola ou tatuapara (Tolypeutes tricinctus), com apenas três cintas e cerca de quarenta centímetros de comprimento, dispersa-se do Nordeste ao Centro-Oeste. Quando se enrola, em geral para se proteger de um ataque, transforma-se numa perfeita bola. Do mesmo gênero e muito semelhante na aparência e nos hábitos é o mataco (T. matacos), que ocorre no Rio Grande do Sul, Argentina, Bolívia e Mato Grosso do Sul.

O maior de todos é o tatu-canastra ou tatuaçu (Priodontes giganteus): possui de 11 a 13 cintas móveis na parte mediana do corpo e atinge 85cm de comprimento, mais quase meio metro de cauda. É hoje espécie rara, ameaçada de extinção. Raro é também o tatu-de-rabo-mole (Cabassous unicinctus), cuja cauda, à diferença das demais espécies, não está revestida de placas duras. O endurecimento da couraça dos tatus é progressivo e se acentua com a idade.


Veja também: