Simonde de Sismondi, J.-C.-L. - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Simonde de Sismondi, J.-C.-L.


  Biografias
As pesquisas do economista e historiador suíço Simonde de Sismondi foram marcadas por sua denúncia dos perigos que considerava inerentes ao processo de industrialização e ao desenvolvimento descontrolado do sistema capitalista.
Jean-Charles-Léonard Simonde de Sismondi nasceu em Genebra, em 9 de maio de 1773. Filho de um pastor protestante, passou parte da juventude na França. Em conseqüência dos distúrbios que se seguiram à revolução francesa de 1789, radicou-se com a família primeiro na Inglaterra e logo na região italiana de Toscana. Após seu regresso a Genebra, em 1800, publicou Tableau de l"agriculture toscane (1801; Quadro da agricultura toscana) e La Richesse commerciale (1803; A riqueza comercial), exposição dos princípios da economia liberal preconizada por Adam Smith, e logo se converteu em figura destacada do círculo intelectual de Mme. de Staël.
Durante os anos seguintes, Sismondi dedicou-se à elaboração de Histoire des républiques italiennes du moyen âge (1809-1818; História das repúblicas italianas da Idade Média), obra em 16 volumes que inspirou os líderes do Risorgimento italiano por situar na Itália medieval a origem da Europa moderna. A partir de 1815 realizou numerosas viagens pela Europa, em particular pelo Reino Unido, onde suas observações sobre o desenvolvimento industrial conduziram-no à crítica do liberalismo econômico, exposta em Nouveaux Principes d"économie politique (1819; Novos princípios de economia política).
Entusiasmado pelas teses de economia clássica enunciadas por Adam Smith, Sismondi rompeu com o pensamento liberal, negou o caráter harmônico e auto-regulador do capitalismo e afirmou que esse sistema conduziria a uma gradual concentração do capital e ao conseqüente empobrecimento das classes trabalhadoras, o que se traduziria num excesso de produção simultâneo à queda da capacidade de consumo. Essa era, em sua opinião, a origem das crises econômicas, que só poderiam ser combatidas com maior participação dos trabalhadores nos benefícios do crescimento econômico e com o estímulo à pequena propriedade privada.
Defendeu a regulamentação da concorrência econômica pelo governo e o equilíbrio entre a produção e o consumo. Previu um crescente conflito entre a burguesia e as classes trabalhadoras e sugeriu reformas sociais para melhorar as condições de vida dos trabalhadores. As teses do autor, pioneiras no estudo da natureza das crises econômicas e históricas do capitalismo, exerceram influência sobre economistas da estatura de Karl Marx e John Maynard Keynes.
Simonde de Sismondi, que dedicou a última fase da vida à monumental Histoire des français (1821-1844; História dos franceses), morreu em Chêne, próximo a Genebra, em 25 de junho de 1842.

Veja também: