Samoa - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Samoa


  Geografia Fisica

Somente os ocasionais furacões parecem perturbar a calma de Samoa, uma sociedade que, no isolamento dos mares do sul, conserva muito de seus traços tradicionais.
Samoa (antiga Samoa Ocidental) situa-se na Polinésia, região equatorial do oceano Pacífico, a aproximadamente 2.500km a nordeste da Nova Zelândia. Pertence à região oceânica da Polinésia e abrange ilhas do arquipélago de Samoa. Ocupa uma superfície de 2.831km2, divididos em nove ilhas, das quais apenas quatro são habitadas: as duas maiores, Savaii e Upolu, e outras duas, menores, Apolima e Manono, localizadas no estreito que separa as duas anteriores. As pequenas ilhas desabitadas - Fanuatapu, Namua, Nuutele, Nuulua e Nuusafee - ficam a sudeste de Upolu.


Geografia física. As ilhas do arquipélago de Samoa são o que ainda resta à superfície de uma antiga cadeia de montanhas submersa, com numerosos vulcões extintos. O território é extremamente acidentado, com altitudes que atingem um máximo de 1.858m na ilha de Savaii. Na ilha de Upolu, onde se encontra a cidade de Ápia, capital do país, a altitude máxima é 1.100m.
A região é assolada por maremotos e terremotos. Fortes ventos de sudoeste sopram sobre as ilhas, principalmente entre maio e novembro, quando são freqüentes os furacões de grande intensidade. Diante das costas emergem recifes coralinos. O clima é tropical úmido, com temperaturas médias anuais de 26o C e reduzida amplitude térmica anual.


População. Os samoanos são polinésios e conservaram em grande parte a estrutura social tradicional, na qual complexos laços de parentesco configuram famílias extensas que povoam vilas inteiras. São línguas oficiais o samoano, bastante relacionado com a língua de taitianos e maoris, e o inglês. A grande maioria dos habitantes professa crenças cristãs, que foram assimiladas sem grandes traumas.


Economia. A maior parte da população dedica-se à agricultura de subsistência e à pesca. Nas plantações comerciais produz-se coco, copra, cevada, cacau, banana, manga e outras frutas tropicais. A pecuária é reduzida e se destina principalmente ao consumo local. As poucas indústrias restringem-se às de transformação de matéria-prima agrícola e florestal. O turismo começa a desenvolver-se, e remessas de dinheiro, feitas pela comunidade samoana da Nova Zelândia, são importantes para a economia.
O comércio exterior, realizado sobretudo com a Nova Zelândia, principal parceiro comercial de Samoa, os Estados Unidos, a Austrália, o Japão e o Reino Unido, é amplamente deficitário. As exportações de matérias-primas agrícolas não cobrem em geral o valor dos produtos importados, como carne, açúcar, tecidos e veículos. O país está ligado por serviços de transporte aéreo e marítimo com a Nova Zelândia e arquipélagos próximos.


História. O arquipélago foi descoberto provavelmente em 1722 pelo holandês Jacob Roggeveen e, durante a segunda metade do século XIX, objeto de litígio entre os Estados Unidos, a Alemanha e o Reino Unido. Em dezembro de 1899 foi celebrado em Berlim um acordo pelo qual os três países declararam a neutralidade das ilhas, sobre as quais estabeleceram um protetorado tripartite. Em 1900, a Alemanha assumiu o controle de Samoa. Em 1920, a Liga das Nações concedeu à Nova Zelândia um mandato sobre as ilhas e estabeleceu um conselho legislativo formado por seis membros: dois europeus e quatro samoanos. Em 1947 Samoa foi transformada em território tutelado pela Organização das Nações Unidas que, em 1959, também recomendou a concessão de autonomia completa às ilhas.
Após o plebiscito realizado em 1962, Samoa tornou-se o primeiro país independente da Polinésia, tendo por chefes vitalícios Tupua Tamasese Meaole -- que morreu em 1963 -- e Malietoa Tanumafili II. A constituição, no entanto, prevê a eleição do chefe de estado, para um mandato de cinco anos, pela Assembléia Legislativa, de 49 membros eleitos por sufrágio universal também para períodos de cinco anos. O poder executivo é exercido pelo gabinete composto do primeiro-ministro e oito membros da Assembléia. Em julho de 1997, a Assembléia Legislativa de Samoa Ocidental aprovou a mudança do nome do país para Samoa.


Veja também: