Rêmora - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Rêmora


  Taxonomia
As adaptações que permitem a um animal despender o mínimo de energia em seus deslocamentos têm importância fundamental no processo de evolução. Esse é o caso das rêmoras, que, fixadas por meio de ventosas à pele de peixes ou cetáceos de grande tamanho, viajam de uma região a outra dos oceanos.
Rêmora (Remora remora) é o nome que se dá a várias espécies de peixes do gênero Echeneis, da família dos equeneidos, dotados de esqueleto ósseo. Distribuem-se pelos mares temperados e tropicais de todo o mundo. De cor escura e corpo alongado entre trinta e noventa centímetros de comprimento, sua principal característica é o órgão situado na região dorsal do corpo, próximo à zona encefálica, que produz, por sucção, efeito semelhante ao de uma ventosa. Assim, aderem à pele ou ao casco de tubarões, atuns, peixes-espadas, cetáceos, tartarugas marinhas e algumas embarcações, pelos quais são transportadas sem nenhum esforço próprio e a salvo do ataque dos predadores. Essa característica representa o máximo de eficiência no mecanismo de economia energética.
O órgão fixador, modificação da aleta dorsal, é ovalado e integrado por uma série de pequenas lâminas transversais, que produzem pequenos cortes superficiais em forma de grade. Na periferia desse órgão existe um rebordo carnoso. As lâminas são acionadas voluntariamente pelo animal, em ambos os sentidos, com o que a rêmora pode fixar-se ou soltar-se do organismo que a transporta. O processo não provoca danos na pele do hospedeiro e deixa nele apenas alguns sinais. Além de ser transportada, a rêmora compartilha da alimentação do hospedeiro, aproveitando as sobras do que ele consome. Eventualmente, alimenta-se de parasitos da pele do peixe ou cetáceo que lhe serve de transporte, exercendo sobre ela uma ação benéfica.

Veja também: