Península do Sinai - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Península do Sinai


  Geografia Fisica

egundo a Bíblia, Deus entregou as tábuas da Lei a Moisés no cimo do monte Sinai, na península de mesmo nome. A palavra Sinai deriva provavelmente do culto a Sin, deus da Lua, uma das mais antigas divindades do Oriente Médio.

A Península do Sinai situa-se na extensa faixa árida que cruza o norte da África e o sudoeste da Ásia e ocupa uma área triangular de 61.000km2 na extremidade nordeste do território egípcio. Situa-se entre o golfo e o canal de Suez, a oeste; e o golfo de Aqaba e o deserto de Neguev, a leste. Ao norte, limita-se com o mar Mediterrâneo e ao sul, com o mar Vermelho. Entre a porção árida da península e o deserto de Neguev não há limites claramente determinados.

A península divide-se em duas regiões principais: uma zona montanhosa no sul, que inclui os montes Katrinah, Umm Shaawmar e Sinai, todos com mais de dois mil metros de altitude; e um amplo planalto, no norte, que ocupa cerca de dois terços da península, alcança os 900m de altitude e desce em direção ao Mediterrâneo. A aridez da região se evidencia pela degradação da superfície do solo, pela ocorrência de dunas de areia e uédis (rios intermitentes) e a salinização, embora a região apresente também depósitos aluviais e lacustres. Há grandes lençóis d`água subterrâneos e a umidade relativa do ar é alta na região litorânea. A vegetação é escassa e, em sua maior parte, efêmera. Poucos animais habitam a região, entre os quais ouriços, gazelas, leopardos, chacais, lebres, falcões e águias.

A região do Sinai foi habitada desde a pré-história. As mais antigas informações escritas a seu respeito datam de 3000 a.C., quando os egípcios relataram suas expedições à região, em busca de cobre. No início da era cristã, o Sinai abrigou inúmeros eremitas e ascetas, sobretudo nas montanhas do sul. No ano 530, o imperador bizantino Justiniano I construiu, na parte inferior da encosta, o mosteiro de Santa Catarina, centro de peregrinações durante a Idade Média. Em 1517, o Sinai integrou-se ao império otomano. Após a primeira guerra mundial, o território foi anexado ao Egito e, a partir de 1949, tornou-se foco dos confrontos militares com Israel. Os israelenses ocuparam a península do Sinai em 1967 e somente em 1982 a área foi devolvida aos egípcios, por meio de um tratado de paz.

A escassa população, nômade e formada principalmente por pastores beduínos, concentra-se sobretudo no norte, onde há melhor suprimento de água, e no oeste, região em que se instalou a indústria de processamento de manganês e petróleo. A economia da região é predominantemente agropastoril. A irrigação, que utiliza a água dos lençóis subterrâneos e do rio Nilo, permitiu o cultivo de largas faixas territoriais ao norte, na planície litorânea. Trigo, azeitona, frutas, legumes e árvores para a extração de madeira são os principais produtos agrícolas. Pratica-se também a mineração (sobretudo de manganês e urânio), a extração de petróleo, a pesca e o turismo.


Veja também: