Martin Heidegger - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Martin Heidegger


  Microbiologia

O pensamento de Heidegger, que ao lado de Karl Jaspers foi um dos fundadores do existencialismo alemÒo, reestruturou radicalmente os postulados metafÝsicos tradicionais, a partir de uma conceituaþÒo do ser compreendido necessariamente em sua relaþÒo com o tempo e suas circunstÔncias reais.
Martin Heidegger nasceu em Messkirch, na Floresta Negra, Alemanha, em 26 de setembro de 1889, e desde cedo mostrou vocaþÒo religiosa. Ao concluir os estudos secundßrios, iniciou o noviciado jesuÝta, que abandonou para ingressar na Universidade de Freiburg, onde estudou teologia e filosofia. Foi nomeado professor em 1915, ap¾s apresentar uma tese a respeito de Duns Scotus.

Em 1923, passou para a Universidade de Marburg. Publicou quatro anos depois sua obra principal, Sein und Zeit (Ser e tempo), que constitui um delineamento filos¾fico inesperado por parte de quem parecera seguidor da fenomenologia de Edmund Husserl, a cujas aulas assistira em Freiburg. Heidegger regressou a essa universidade em 1928, exatamente para suceder a Husserl em sua cßtedra. Sua aula inaugural apareceu na imprensa em 1929 com o tÝtulo Was ist Metaphysik? (Que Ú metafÝsica?), outro de seus textos capitais.

A doutrina desenvolvida por Heidegger nesses escritos assinala que o ser Ú existÛncia. Consiste em "estar-no-mundo" (Das in-der-Welt-Sein ou Dasein), Ú temporalidade. Essa abordagem representa uma mudanþa total em relaþÒo Ó idÚia metafÝsica clßssica de "essÛncia". O homem, segundo Heidegger, Ú "existÛncia lanþada ao mundo, obrigada a construir sua pr¾pria essÛncia", e o ·nico ser que existe em sua totalidade, jß que s¾ ele possui a consciÛncia de que constitui um "ser-para-a-morte": tal Ú a origem da ang·stia. Apenas ao aceitar sua finitude, no entanto, pode o homem pensar em si mesmo e, consequentemente, "pensar no ser".

Nos anos que precederam a ascensÒo de Hitler, Heidegger, eleito reitor da universidade, ingressou no partido nazista, talvez sob pressÒo, pois suas divergÛncias com o regime eram not¾rias. Em 1934 renunciou Ó reitoria e, ap¾s a segunda guerra mundial, perdeu a docÛncia devido a seu passado polÝtico, mas em 1952 p¶de retomar a cßtedra.

As obras posteriormente publicadas por Heidegger, como Zur Seinsfrage (1953; Sobre o problema do ser) e Der Satz vom Grund (1957; O axioma da causa), mostram seu crescente interesse pela linguagem poÚtica, que constituiria "a morada do ser". Alguns especialistas sustentaram que essa etapa do fil¾sofo conteria uma revisÒo de seu existencialismo anterior. O pr¾prio Heidegger, porÚm, afirmou que nunca pretendera elaborar uma filosofia da existÛncia, mas uma ontologia, isto Ú, uma reflexÒo sobre a natureza do ser como centro de todo o pensamento. Martin Heidegger morreu em Messkirch em 26 de maio de 1976.


Veja também: