Deserto - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Deserto


  Biografias

A imagem de uma região seca, estéril e habitada por  pastores nômades fornece uma visão exata de um rigoroso ecossistema: o deserto.
Deserto é uma região que, por sua aridez, excessivo frio ou calor, não favorece o desenvolvimento da vida. Tanto nas zonas temperadas como nas tropicais ou frias, a existência de áreas desérticas é determinada pelo baixo índice de precipitações. A insuficiência de chuvas traduz-se na paisagem de dunas, na vegetação rarefeita, na fauna escassa, nas enormes extensões de solo desnudo, na irregularidade das redes fluviais e na baixíssima densidade populacional. As regiões desérticas variam no tocante à temperatura, ao grau de umidade e aos tipos de precipitações, mas uma característica todas elas têm em comum: a aridez. No Brasil existem zonas semi-áridas, como a caatinga, mas nenhum deserto.

Em geral, considera-se uma região desértica quando sua precipitação média anual é inferior a 250mm. As precipitações são intermitentes: em algumas zonas passam-se anos sem que caia uma só gota de água. Quando finalmente chove, em poucas horas podem registrar-se grandes níveis de precipitação.
Os desertos cobrem imensos espaços do planeta, aproximadamente 15% das terras emersas. Cerca de metade da Austrália, mais de um terço da África, a quinta parte da Ásia e mais de dez por cento da América são regiões áridas.

Devido às árduas condições de vida, os desertos são praticamente despovoados. Contudo, as civilizações antigas descobriram técnicas adequadas a sua exploração. Agricultores laboriosos esgotaram todos os escassos recursos de água disponíveis, enquanto os nômades da África e da Ásia aproveitaram as pastagens efêmeras graças à excepcional resistência do camelo e do dromedário, animais típicos do deserto.


Tipos de desertos


Desertos de latitudes quentes.

Na zona tropical, entre 15o e 30o ao norte e ao sul da linha do equador, existem dois tipos de deserto: o subtropical quente e o litorâneo.


Desertos subtropicais. A circulação atmosférica geral explica a existência dos desertos subtropicais, em virtude da presença, nessas latitudes, de altas pressões (anticiclones) estáveis e constantes. O ar se comprime e se aquece ao descer e, em vez de trazer chuvas, resseca-se e estimula a evaporação. Os desertos subtropicais mais importantes são os do Saara e o de Kalahari, respectivamente no norte e no sul da África; os de Victoria, Gibson e Simpson, na Austrália; os de Sonora, da Califórnia e do Arizona, na América do Norte; e o da Arábia, na Ásia ocidental.

Desertos litorâneos. A influência das correntes marinhas frias nas costas ocidentais dos continentes, dentro da área das latitudes tropicais, determina o aparecimento dos desertos litorâneos. Nesse caso, as massas de ar fresco do oceano, carregadas de umidade, se reaquecem ao chegar à terra, diminuem continuamente sua umidade relativa e tornam-se cada vez mais secas. Assim, mesmo sendo freqüentes os nevoeiros, as chuvas são muito raras. Esse tipo de área desértica acha-se muito bem representado pelo deserto costeiro do Peru e pelo de Atacama, no Chile, ambos afetados pela corrente marinha fria de Humboldt.
Em outras faixas ocidentais dos trópicos também  encontram-se desertos desse tipo. Assim, a corrente marinha fria de Benguela dá origem, na África, ao deserto de Namibe; e a da Califórnia, ao deserto da Baixa Califórnia. Há ainda, no noroeste da Austrália, o Grande Deserto de Areia.


Desertos da zona temperada. A diferença das regiões mencionadas, os territórios áridos da zona temperada têm invernos frios e amplitudes térmicas muito acentuadas, uma vez que se trata de climas de tipo continental. A continentalidade ou distância em relação ao mar torna o clima mais seco e reduz as possibilidades de que chegue o ar marítimo. Nos países temperados, as altas pressões continentais originadas pelos frios hibernais afastam as tempestades oceânicas, e por isso os invernos são secos. No verão, o calor provoca muita evaporação, e a água das chuvas, mesmo escassas, ainda podem ser aproveitadas pelo homem. Em geral, esses desertos resultam da degradação dos climas mediterrâneos ou continentais.


Desertos continentais. Dada a tendência do clima continental a produzir aridez, existem no interior dos continentes vastas zonas desérticas. Na Ásia central, do Turquestão à Mongólia, há toda uma série de desertos (Taklimaken e Gobi), cuja variação anual de temperatura entre o mês mais frio e o mais quente vai além de 30o C. No Taklimaken, as temperaturas oscilam entre -26o C em janeiro e 17o C em julho, enquanto as chuvas são inferiores a 200mm e ocorrem sobretudo no verão. Também são muito acentuadas as diferenças de temperatura entre o dia e a noite.
O continente americano também apresenta desertos de tipo continental, porque as montanhas bloqueiam o acesso dos ventos provenientes das águas próximas do  Pacífico. Assim, ao pé das montanhas Rochosas estão os desertos de Utah, do Colorado e do Novo México. A mesma origem têm os desertos de Chihuahua, no norte do México, e da Patagônia, no hemisfério sul-americano. Contudo, o clima dessas regiões é mais brando que o dos desertos da Ásia central.


Deserto por degradação do clima mediterrâneo. O verão seco do clima mediterrâneo assume características de aridez nas zonas afastadas da costa ou isoladas dos ventos úmidos. No inverno e na primavera caem poucas chuvas e estas são  torrenciais. Às vezes, as geadas (congelamento dos líquidos, inclusive a seiva das plantas, devido à queda da temperatura) interrompem os invernos pouco rigorosos e contrastam com o calor sufocante que se registra no verão. Esse tipo de deserto por degradação existe na Ásia ocidental (Neguev, Síria, Iraque) e nos Estados Unidos (Grande Bacia de Nevada e deserto do Mojave, na Califórnia).


Desertos polares. Nas altas latitudes, a partir de 55o no hemisfério sul e de 65o no hemisfério norte, prevalece um clima de frio constante, com precipitações escassas e em forma de neve. O inverno dura mais de oito meses, com temperatura média inferior a -20o C. Essas regiões não conhecem o verão, pois nos meses menos frios a temperatura não chega a 10o C. O frio contínuo e a existência de um manto de neve quase permanente limitam a vida vegetal e animal. As altas cordilheiras, como os Andes e o Himalaia, apresentam climas desérticos semelhantes aos polares.


Deserto polar continental. As tundras do Canadá e da Sibéria setentrional apresentam ecossistemas caracterizados por invernos rigorosos, com temperatura média inferior a -30o C, e verões relativamente cálidos, com 9o C de máxima. As precipitações são escassas, com menos de 200mm.
Deserto polar glacial.


Veja também: