Conde Saint-Simon - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Conde Saint-Simon


  Biografias
Nas primeiras décadas do século XIX, alguns adeptos das idéias de Saint-Simon chegaram a fundar uma seita e retirar-se para uma vida monástica. Esse grupo religioso durou menos de uma década, mas o pensamento saint-simonista influenciou profundamente o movimento romântico e o começo do socialismo na França.
Claude-Henri de Rouvroy nasceu em Paris em 17 de outubro de 1760. Sobrinho-neto do duque de Saint-Simon, o grande memorialista do século de Luís XIV, ingressou no Exército aos 17 anos de idade e lutou na guerra pela independência dos Estados Unidos entre 1779 e 1783. De volta à França, aderiu à revolução e abandonou seu título nobiliárquico. Durante o Terror, porém, passou quase um ano na prisão sob risco de vida e tornou-se contrário à violência revolucionária. Aos quarenta anos, após ter feito fortuna com especulação imobiliária, decidiu retomar os estudos na Escola de Medicina e na Politécnica.
A partir de 1802, Saint-Simon começou a escrever sobre política, economia e filosofia. O primeiro trabalho, publicado em 1802, foi Lettres d"un habitant de Genève à ses contemporains (1802; Cartas de um habitante de Genebra a seus contemporâneos), que continha o esboço de uma nova religião, baseada na ciência. Entre 1805 e 1810, o autor voltou a sofrer dificuldades financeiras e viveu às expensas de um ex-empregado. Continuou, no entanto, a escrever e criou um fervoroso grupo de adeptos, conhecidos como saint-simonistas, entre os quais figuravam políticos, banqueiros, engenheiros e escritores influentes, como o historiador Augustin Thierry e o filósofo Auguste Comte, criador do positivismo. Barthélemy Prosper Enfantin e Saint-Amand Bazard encarregaram-se também de difundir as idéias do mestre e foram, após a morte deste, os fundadores da seita que levou seu nome.
Para Saint-Simon, as mudanças político-sociais são determinadas pelo avanço da ciência, da moral e da religião. Precursor do socialismo, concebeu uma sociedade futura dominada por cientistas e industriais, entre os quais incluiu negociantes, banqueiros, comerciantes e operários. O lema "a cada um segundo sua capacidade, a cada capacidade segundo seu trabalho" é a chave do pensamento saint-simonista, melhor dimensionado nas obras Introduction aux travaux scientifiques du XIXème siècle (1807; Introdução aos trabalhos científicos do século XIX), Mémoires sur la science de l"homme (1813-1816; Memórias sobre a ciência humana) e Le Système industriel (1821; O sistema industrial).
Apesar de seu anticlericalismo, as últimas obras de Saint-Simon são de inspiração livremente religiosa: Le Catéchisme des industriels (1823; O catecismo dos industriais) e Le nouveau christianisme (1825; O novo cristianismo). Louvado e atacado, apenas nos dois últimos anos de vida gozou de certa tranqüilidade econômica, graças à ajuda de banqueiros e industriais. Saint-Simon morreu em Paris em 19 de maio de 1825. Suas idéias influenciaram autores românticos posteriores, como Sainte-Beuve, Victor Hugo, George Sand e Heinrich Heine, entre outros.

Veja também: