Cícero - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Cícero


  Biografias
A atuação pública de Cícero, que uniu a reflexão filosófica à ação política, sobretudo em defesa dos princípios da república, exerceu grande influência numa fase crucial da história de Roma.
Considerado o maior orador romano, Marco Túlio Cícero nasceu em Arpino, a cerca de cem quilômetros a leste de Roma, em 106 a.C. De família abastada, educou-se em Roma, onde recebeu esmerada instrução, própria dos futuros senadores. Um ambiente culto possibilitou-lhe o conhecimento de poesia, retórica e direito, e logo manifestou dotes intelectuais e uma especial predisposição para a filosofia. A formação intelectual de Cícero estendeu-se até os trinta anos de idade e incluiu uma permanência de dois anos na Grécia.
De volta a Roma, ele iniciou a carreira política, assumindo em 75 a.C. o cargo de questor na Sicília ocidental. Quando se tornou pretor urbano, em 66 a.C., adotou decididamente a defesa das instituições tradicionais e assumiu a liderança dos representantes da aristocracia no Senado -- os quais, no entanto, nunca o aceitaram, por sua origem provinciana -- contra as tentativas de reforma feita pelo partido "popular". Triunfalmente eleito cônsul em 63 a.C., enfrentou a conjuração de Catilina, seu rival derrotado, que pretendia tomar à força o poder. Foi essa a origem das famosas Catilinárias, série de discursos que Cícero pronunciou no Senado e que levaram à execução dos conspiradores; Catilina, que fugiu, morreu em combate pouco tempo depois.
A partir de 61 a.C., a política de Cícero, que havia obtido enorme êxito, começou a ser atacada em virtude de sua oposição ao triunvirato formado por Crasso, César e Pompeu. Cícero foi obrigado a exilar-se e, ao voltar, o que se deu graças à intervenção de seu amigo Pompeu, já não gozava da influência de antes. Nessa época, em que adotou atitudes políticas contraditórias, escreveu suas principais obras de filosofia política, concebidas em forma de diálogos: De legibus (Das leis) e, sobretudo, De republica (Da república), onde defendia os ideais republicanos, embora admitisse a necessidade de líderes dotados de decisão e autoridade pessoal. Pertence ao mesmo período o tratado de eloqüência De oratore (Do orador).
Em 51 a.C. Cícero ausentou-se de Roma para governar a província da Cilícia, na Anatólia, onde permaneceu um ano. Quando voltou, César e Pompeu estavam envolvidos na luta pelo poder absoluto, que culminaria com a vitória do primeiro. Durante os anos seguintes, Cícero, embora não aprovasse a ditadura de César, não a atacou publicamente e dedicou seus esforços à elaboração de textos poéticos, conservados fragmentariamente, e de tratados filosóficos e religiosos. Entre estes cabe destacar Paradoxa (Os paradoxos) e De natura deorum (Da natureza dos deuses), nos quais mostrava um pensamento eclético e mais propenso à análise do que à defesa de posturas concretas. A mesma intenção se observa em seus escritos sobre moral, como De officiis (Dos deveres). De qualquer forma, essas obras foram decisivas para a transmissão do saber helênico.
Em 44 a.C., depois da morte de César, Cícero retornou brilhantemente à atividade política com suas famosas Filípicas, assim chamadas em alusão ao título dos discursos de Demóstenes contra Filipe II da Macedônia. Nessas exposições, reaparecia com toda sua força o espírito da república, ante as tentativas de Marco Antônio -- que se apresentava como herdeiro de César -- de impor sua autoridade ao Senado. A posterior aliança de Marco Antônio com Otávio e Lépido fez de Cícero o primeiro opositor que era necessário eliminar e ele foi capturado e morto perto de Gaeta em 7 de dezembro de 43 a.C.
Embora tenha sido às vezes acusado de ambigüidade em suas opiniões políticas, sem dúvida Cícero observou com lucidez as transformações que se operavam na sociedade romana, tendo sido muitas vezes obrigado a adotar posturas públicas que o desagradavam a fim de salvaguardar, na medida do possível, as instituições republicanas. Sua farta correspondência, embora carente de isenção em determinadas questões, revela um profundo sentido ético e constitui valiosíssimo documento sobre aqueles agitados anos.

Veja também: