Anabolismo de Nucleotídeos - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



176 Slides Power Point grátis

Só baixar, editar e começar a usar.

Anabolismo de Nucleotídeos


  Bioquímica

Os nucleotídeos podem ser sintetizados de duas formas: pela síntese "de novo" que começa com seus precursores metabólicos: aminoácidos, ribose-5-P, CO2 e NH3; ou pelas ditas vias de recuperação (salvamento), que podem ser a reconstrução a partir de bases, ou a fosforilação de nucleosídeos liberados na quebra dos ácidos nucléicos.
 
As vias "de novo" para a biossíntese de purinas e pirimidinas (melhor descritas nos links para cada tipo de nucleotídeo) parecem estar presentes de forma idêntica em todos os organismos vivos. Vários precursores importantes são compartilhados para pirimidinas e purinas, como o PRPP, sendo a estrutura da ribose mantida ou retirada no nucleotídeo produzido. Em cada via um aminoácido é um importante precursor: glicina no caso das purinas e aspartato no caso das pirimidinas.
 
Para que a quantidade de nucleotídeos seja suficiente para a síntese dos ácidos nucléicos, a produção de nucleotídeos precisa continuar ocorrendo durante a síntese destes, podendo inclusive ser um limitante da velocidade, já que a quantidade total de nucleotídeos armazenados nas células é muito pequena.
 
Formação de nucleosídeos Mono-P a partir de bases
Fosforribosiltransferases (EC 2.4.2.7, 2.4.2.8, 2.4.2.9, 2.4.2.10), amplamente distribuídas, catalisam reações do seguinte tipo:
 
Base + PRPP  ribonucleosídeo-5'-P + PPi
 
O equilíbrio desta reação é em favor da síntese do nucleotídeo, o que, aliado à rápida hidrólise do pirofosfato inorgânico liberado pela inorgânico-pirofosfatase, torna a síntese de nucleotídeos irreversível.
 
 
Fosforilação de Nucleosídeos
 
Embora os nucleosídeos de purinas sejam intermediários no catabolismo de nucleotídeos e ácidos nucléicos em animais superiores e humanos, estes nucleosídeos não se acumulam e normalmente estão presentes no sangue e tecidos apenas em quantidades muito pequenas. Apesar disso, células de muitos vertebrados contêm quinases capazes de converter os nucleosídeos de purina em nucleotídeos. Uma típica enzima destas, é a adenosina quinase que catalisa a reação:
 
Adenosina + ATP AMP + ADP 
 
Formação de nucleosídeo trifosfato a partir de mono-P: uma conversão que passa por di-P
Nas vias biossintéticas mostradas até agora, a maioria dos produtos são mononucleotídeos. Nas células, uma série de quinases (fosfotransferases) convertem estes mononucleotídeos às suas formas di e trifosfatadas, metabolicamente ativas. As vias de conversão são comuns em todas as células.
 
Nucleosídeos Monofosfato Quinases (NMP quinases):
 
Catalisam reações que, em geral, são do tipo:
 
(d)NMP (Nucleosídeo Mono-P) + ATP (d)NDP + ADP
 
A eficiência dos sistemas celulares para a refosforilação do ADP em ATP tende a empurrar essa reação na direção dos produtos.
 
Estas enzimas são específicas para uma base particular (exceto no caso de C e U), mas inespecíficas para o tipo de pentose, desta forma, quatro tipos são conhecidos, que catalisam, respectivamente, a fosforilação de: (1)GMP e dGMP;(2)AMP e dAMP (o ADP assim formado é fosforilado a ATP pelas enzimas glicolíticas ou através da fosforilação oxidativa); (3)CMP, dCMP e UMP; (4)dTMP.
 
Nucleosídeos Difosfato Quinases (NDP quinases):
 
A reação geral é:N1TP + N2DP  N1DP + N2TP;
 
onde N1(doador) e N2(receptor) são nucleotídeos ou desoxiribonucleosídeos de purinas ou pirimidinas.
 
Diferente da primeira, esta enzima não é específica quer para a base quer para o açúcar, embora o doador seja quase invariavelmente o ATP, porque ele está presente em altas concentrações como produto da respiração em condições aeróbicas.
 
A atividade das NDP quinases é relativamente alta. Em resultado, as concentrações intracelulares de trifosfatos são normalmente muito maiores que as de difosfatos ou monofosfatos.
 

-in-pattaya/ ing cialis

Veja também: