Gigante USA - TelexFree
Venha fazer parte da maior equipe TelexFree dos Estados Unidos
www.giganteusa.net - Vai deixar a oportunidade passar deste vez?


Menu
Downloads

Busca




Newsletter

Cadastre-se e recebe novidades do BioMania no seu e-mail!
Nome:

E-mail:



   Genética


MEIOSE


Introdução

A divisão de meiose é do tipo reducional, em que ocorre a redução da ploidia da célula.

Uma célula diplóide (2N), ao sofrer meiose, produz quatro células haplóides (N), que podem ser gametas nos animais ou esporos nos vegetais.
O esquema a seguir mostra as principais etapas do processo .

 

1. As Fases da Meiose

Como ocorre na divisão da mitose, também na meiose, antes de iniciar a divisão celular, a célula passa pela interfase com os períodos G1, S e G2 com os seguintes
eventos: G1 e G2 - Síntese de proteínas e RNA

S - Síntese de DNA (autoduplicação)

A primeira etapa da meiose difere muito de uma mitose, pois ocorrem os fenômenos de pareamento e separação de cromossomos homólogos que não ocorrem na mitose.

A segunda etapa da meiose é semelhante à mitose.
 


A. Interfase

Como já vimos na mitose, a interfase na meiose também é uma etapa de intensa atividade metabólica com síntese de proteínas e RNA.

A figura a seguir representa uma célula em interfase onde os cromossomos ainda não podem ser vistos individualizados.

 

A divisão de meiose é estudada em duas etapas: meiose I e meiose II.

Os nomes das fases da meiose são os mesmos usados para a mitose.

Primeira divisão meiótica (meiose I)
 

B. Prófase I


É a fase mais longa e complexa. Podemos identificar cinco estágios.

I) Leptóteno (leptos = fino): nesse estágio, os filamentos de cromatina, já duplicados, iniciam sua espiralização.

II) Zigóteno (zygos = par): prosseguindo na condensação, cada cromossomo se move e se coloca lado a lado com seu homólogo. O emparelhamento se chama sinapse e cada par de homólogos constitui um bivalente.

III) Paquíteno (paquis = espesso): pareados e mais condensados, os cromossomos evidenciam suas duas cromátides. Assim, o par terá quatro cromátides lado a lado (tétrade).

É possível a troca de fragmentos entre cromátides de cromossomos homólogos.


IV) Diplóteno: as cromátides vizinhas podem trocar fragmentos, o que se chama permutação ou crossing-over. A imagem em "X", que se observa no microscópio, é o quiasma.

V) Diacinese: ocorre a terminalização dos quiasmas, isto é, seu deslizamento para as extremidades dos cromossomos e sua completa separação. O nucléolo desaparece e a carioteca desintegra-se, ficando os cromossomos soltos no citoplasma. Cada cromossomo do par de homólogos se liga a fibras do fuso acromático que se dirigem a um dos pólos celulares.

A prófase I é caracterizada pelo fenômeno do pareamento dos cromossomos homólogos. Nesta fase pode ocorrer o fenômeno de permutação ou crossing-over, que é uma importante fonte de variabilidade genética nas populações com a formação de gametas recombinantes.

A figura a seguir destaca a prófase I em uma de suas fases mais marcantes e características, em que ocorre o pareamento dos cromossomos homólogos.

 

C. Metáfase I

Metáfase I: com grau máximo de condensação ou espiralização, maior que na mitose, os cromossomos estão emparelhados no equador celular.

 

D. Anáfase I

Com o encurtamento das fibras do fuso, os cromossomos homólogos se separam e se dirigem para pólos opostos (disjunção). Não há bipartição dos centrômeros, e as cromátides irmãs permanecem unidas. Em cada pólo, está a metade dos cromossomos da célula-mãe, ainda duplicados.

 

E. Telófase I

Telófase I: os cromossomos se desespiralizam, a carioteca se refaz e o citoplasma se divide, formando duas células-filhas haplóides.

Entre o final da divisão I e o início da divisão II, pode ocorrer um pequeno intervalo, a intercinese, no qual não há duplicação do DNA.

 

2. Segunda Divisão Meiótica (Divisão II )

Os eventos desta etapa são idênticos aos de uma mitose, uma vez que duas células haplóides, resultantes da divisão I, irão originar quatro células haplóides no final.

 

A. Prófase II


A carioteca se fragmenta, os cromossomos iniciam sua espiralização e se ligam às fibras do fuso, que se dirigem para ambos os pólos.

 

B. Metáfase II

Nesta fase os cromossomos estão bem condensados ou espiralizados, localizados no plano equatorial da célula.

 

C. Anáfase II

Ocorre bipartição dos centrômeros e as cromátides irmãs se separam, tracionadas pelas fibras do fuso para pólos opostos das células.

Obs: Na Anáfase I separa os cromossomos homólogos, enquanto na Anáfase II separa as cromátides irmãs.

 

D. Telófase II

Nesta última etapa ocorre a reorganização do núcleo, desespiralização dos cromossomos e a divisão do citoplasma (citocinese)

Observe que foram formadas quatro células (N = 2) com a metade da ploidia da célula inicial.

 




ANEXOS
DOWNLOADS

Esse artigo possui
2
downloads anexos.

>> ACESSAR >>






[ Mandar esta matéria para um amigo ]
 
Disciplinas
Aeronáutica e astronáutica 
Anatomia Humana 
Artrópodes 
Astronomia 
Biofísica 
Biografias 
Bioquímica 
Botânica 
Citologia 
Dinâmicas 
Ecologia 
Embriologia 
Evolução 
Fisiologia 
Fisiologia Vegetal 
Frutas Comestiveis 
Genética 
Geografia Fisica 
Geologia 
Histologia 
Ictiologia 
Imunologia 
Invertebrados 
Microbiologia 
Patologias 
Reproduçao 
Taxonomia 
Vertebrados 
Zoologia 
 
© 1999/2014 - BioMania- Todos os direitos reservados