Termos Genéticos - BioMania
DVD SLIDES DE QUÍMICA
Clique e saiba mais: www.biocompras.com.br

Menu
Busca



Newsletter

Cadastre-se e recebe novidades do BioMania no seu e-mail!


DVDs Slides Premium + DVD Atividades práticas em sala de aula
De: R$ 368,00 Por: R$ 99,00
Economia: 73% Off

Série Slides Prêmium - Química
De: R$ 99,00 Por: R$ 39,00
Economia: 61% Off

Lanterna Led Tática Recarregável Cree Q5 com zoom + Bateria + Carregador
De: R$ 129,00 Por: R$ 69,00
Economia: 47% Off


   Genética


TERMOS GENÉTICOS


1. As "Ferramentas" da Genética

Cada área do conhecimento humano, inclusive os diversos segmentos das ciências biológicas, emprega determinadas "ferramentas de trabalho", e dentre elas algumas regras de nomenclatura padronizadas.

Em genética, algumas expressões são bastante empregadas, e é muito importante que tomemos contato e nos familiarizemos com elas.

A seguir, passaremos a listar algumas dessas principais expressões. Outras mais surgirão, ao longo do curso de genética, e serão explicadas oportunamente.

2. Autofecundação

É a fecundação entre gametas masculino e feminino originados por um só ancestral. Entre os vegetais, é muito freqüente, pois habitualmente coexistem o sistema reprodutor masculino e o feminino em uma mesma flor.

Nos animais, a autofecundação não é tão comum. Mesmo as espécies dotadas de sistemas reprodutores masculinos e femininos em um mesmo indivíduo, como as minhocas, necessitam de dois animais para que aconteça a fecundação. Esses animais dotados de ambos os sistemas reprodutores são chamados hermafroditas. Os que realizam a autofecundação, como as tênias, parasitas intestinais do homem, são os hermafroditas monóicos.

3. Fecundação Cruzada

É a que ocorre entre gametas originários de dois indivíduos diferentes, de sexos diferentes ou não. Nas espécies com sexos separados, a fecundação cruzada é a única forma possível de fecundação.

As minhocas, já citadas anteriormente, mesmo sendo hermafroditas não realizam a autofecundação. Os gametas masculinos de um animal fecundam os gametas femininos de outro animal, e vice-versa. São hermafroditas dióicos.

4. Caráter ou Aspecto

É a denominação empregada para designar qualquer característica de um ser vivo que pode ser observada ou detectada de alguma forma, e que permite distinguir indivíduos de uma mesma espécie ou de espécies diferentes.

Nos vegetais, são exemplos de caráter: a cor das flores, a posição das flores ao longo dos ramos, a cor dos frutos, o sabor dos frutos, etc. Nos animais, podemos citar a cor da plumagem ou da pelagem, a estatura, o tipo sangüíneo, etc.

A descrição de um caráter, para um determinado organismo, constitui o seu fenótipo. Assim, dizer que uma planta possui flores brancas ou que um animal tem pêlos longos são exemplos de fenótipos.

5. Cromossomos

Cada um dos filamentos de cromatina presentes nas células. Nos eucariontes, os cromossomos são formados por DNA e por proteínas, e estão no interior do núcleo individualizado, delimitado pela carioteca. Nos procariontes, os cromossomos são, geralmente, circulares. Se constituem exclusivamente de DNA.

Quando comparamos células masculinas com células femininas, geralmente podemos destacar um par de cromossomos cujos componentes são diferentes, nos machos e nas fêmeas. Nos homens, existe um par de cromossomos XY. Nas mulheres, o par é XX. Esses cromossomos que diferenciam uma célula masculina de uma célula feminina são os cromossomos sexuais ou alossomos. Os demais cromossomos, pares idênticos nas células masculinas e femininas, são cromossomos autossomos.

Nas células diplóides, com quantidade 2n de cromossomos, eles existem aos pares, isso é, sempre existem dois cromossomos de mesmo tamanho, mesma forma, mesma classificação quanto à posição dos centrômeros, etc. São os cromossomos homólogos.

Cada segmento do cromossomo capaz de determinar a produção de uma proteína e, portanto, capaz de controlar uma característica morfológica ou funcional do indivíduo é conhecido por gene. Assim sendo, podemos definir geneticamente um cromossomo como "uma seqüência linear de genes". O local ocupado pelo gene no cromossomo é o locus gênico (o plural de locus é loci).

Quando um gene está localizado em um dos cromossomos autossômicos, ele é chamado gene autossômico.

6. Genes Alelos

Em um mesmo par de cromossomos homólogos, os genes localizados em posições correspondentes são genes alelos ou alelomorfos. Atuam sempre sobre o mesmo caráter. Por exemplo: se um gene determina a cor dos olhos, em uma espécie animal, o seu alelo também atua sobre a cor dos olhos.

Genes alelos diferentes surgem uns dos outros graças à ocorrência de mutações gênicas, pequenas alterações na seqüência de bases das suas moléculas de DNA. Dessa forma, existem diversas alternativas de ocupação de um mesmo locus.

Eventualmente, um gene pode impedir a manifestação de um ou mais de seus alelos. O gene capaz de impedir a manifestação dos seus alelos é conhecido por gene dominante. O que tem o seu efeito bloqueado por um alelo dominante é chamado gene recessivo.

7. Genótipo

Consiste na representação do patrimônio hereditário ou genético de um indivíduo. Quando um indivíduo possui dois genes alelos iguais, ele é chamado homozigoto ou puro.

Se, em um certo locus gênico, os genes alelos são diferentes, o indivíduo é heterozigoto ou híbrido. Ainda sobre os homozigotos, quando o indivíduo tem dois genes alelos iguais, dominantes, ele é homozigoto dominante. Se ambos os seus alelos forem recessivos, ele é homozigoto recessivo.

Para facilitar a representação do genótipo de um indivíduo, geralmente se empregam letras para indicar os genes, habitualmente, se escolhe para representar um determinado caráter a inicial do aspecto recessivo. Vejamos um exemplo. Imagine que, em uma espécie vegetal existam dois genes alelos que controlam a cor das flores. O alelo dominante determina o surgimento de flores vermelhas, enquanto o seu alelo recessivo determina flores brancas. Como flor branca é o aspecto recessivo, vamos escolher, para representar esse par de genes alelos, a letra a.

O gene dominante, no caso o que determina flores vermelhas, é indicado pela letra maiúscula (A), e o alelo recessivo pela letra minúscula (a).

Os genótipos possíveis seriam esses:

 

AA - homozigoto dominante

Aa - heterozigoto

aa - homozigoto recessivo

 

Uma outra forma de se distinguir o gene dominante do recessivo é representálo por uma letra seguida do sinal +. Usando o mesmo exemplo de cor das floras, o gene dominante seria designado por a+, e o gene recessivo por a.

Essas regras de representação de genes não são obrigatórias, mas são geralmente usadas. Apesar disso, é sempre conveniente que se faça uma legenda, indicando os símbolos que estão sendo empregados para se representar os pares de alelos

A forma de manifestação de um aspecto depende da interação entre fatores genéticos e influências ambientais. Algumas características sofrem mais influência ambiental, outras menos ou nenhuma influência. Podemos representar essa interação da seguinte forma:

FENÓTIPO = GENÓTIPO + MEIO AMBIENTE

As mais intensas ações ambientais podem chegar a determinar o aparecimento de um fenótipo totalmente distinto daquele correspondente ao genótipo do indivíduo, a ponto de fazê-lo "imitar" o aspecto condicionado por um genótipo diferente. Os indivíduos que, por força de influência ambiental, exibem um fenótipo correspondente a um genótipo diferente do seu são chamados fenocópias.

Vejamos um exemplo: na espécie humana, há genes que determinam a cor clara dos cabelos. Se uma pessoa morena tingir os seus cabelos, poderá imitar o fenótipo correspondente a um genótipo distinto do seu. Trata-se de uma fenocópia.

8. Linhagem

Dentro de uma espécie, o conjunto de indivíduos que apresentam o mesmo genótipo ou o mesmo fenótipo constituem linhagens ou variedades. Portanto, existem linhagens genotípicas (conjuntos de indivíduos com o mesmo genótipo) e linhagens fenotípicas (conjunto de indivíduos com o mesmo fenótipo). Podemos, ainda, dizer classes genotípicas e classes fenotípicas.

Dentro de uma linhagem genotípica, todos os indivíduos devem apresentar o mesmo fenótipo, ressalvando-se as influências ambientais. Já dentro de uma linhagem fenotípica, podem ser encontrados indivíduos com genótipos diferentes.

Consideremos uma espécie animal onde um gene dominante M condiciona pelagem branca, e seu alelo recessivo determina pelagem marrom. Podem ser encontrados indivíduos com os seguintes genótipos e fenótipos:

 

MM - pelagem branca

Mm - pelagem branca

mm - pelagem marrom

 

Nessa espécie, existem três classes genotípicas: indivíduos de genótipo MM, indivíduos de genótipo Mm e indivíduos de genótipo mm. Observe que, dentro de uma certa classe genotípica, todos os indivíduos possuem o mesmo fenótipo.

São duas as classes fenotípicas: animais de pelagem branca e indivíduos de pelagem marrom. Dentre os animais de pelagem marrom, todos possuem genótipo mm. Todavia, dentre aqueles de pelagem branca, há indivíduos de genótipos MM e indivíduos de genótipo Mm. Fenotipicamente, não há como distinguir um indivíduo MM de um indivíduo Mm.

Chamamos de fenótipo selvagem o fenótipo encontrado mais freqüentemente na natureza. Geralmente, o fenótipo selvagem é o determinado por genes dominantes, embora haja inúmeras exceções. Na espécie humana, por exemplo, o sangue tipo O é o mais freqüente em muitas populações, embora seja condicionado por um gene recessivo.






Os animais mais estranhos do planeta

Animais com hábitos noturnos ou que vivem em ambientes extremamente escuros geralmente possuem alguns sentidos mais apurados que outros animais. Para sobreviver em meio ao breu de seu habitat, algumas criaturas aprimoram sentidos como a visão noturna, a audição e ...




[ Mandar esta matéria para um amigo ]
 
Disciplinas
Aeronáutica e astronáutica 
Anatomia Humana 
Artrópodes 
Astronomia 
Biofísica 
Biografias 
Bioquímica 
Botânica 
Citologia 
Dinâmicas 
Ecologia 
Embriologia 
Evolução 
Fisiologia 
Fisiologia Vegetal 
Frutas Comestiveis 
Genética 
Geografia Fisica 
Geologia 
Histologia 
Ictiologia 
Imunologia 
Invertebrados 
Meio Ambiente 
Microbiologia 
Patologias 
Reproduçao 
Taxonomia 
Vertebrados 
Zoologia 
 
© 1999/2014 - BioMania- Todos os direitos reservados