Solo - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Solo


 Geologia

Ao longo dos ciclos terrestres, os solos podem envelhecer por excesso de mineralização e recuperar seu estado original de rocha. Esse processo é especialmente grave quando acelerado pelo desmatamento e por práticas agrícolas inadequadas, que destroem a fertilidade do solo. Por isso, o estudo dos solos ganha cada vez mais importância.
Em sentido amplo, solo é o material superficial da crosta terrestre sobre o qual ocorrem alterações devidas tanto aos fenômenos atmosféricos como àqueles gerados pela biosfera, na qual se incluem certas espécies animais, vegetais e de microrganismos. Esse material não consolidado recobre as rochas e se confunde com o que os geólogos chamam de manto de intemperismo. Em sentido estrito, o solo corresponde à parte delgada do manto que oferece as condições de sustentação e subsistência necessárias à vida vegetal. Geralmente, os solos contêm matéria orgânica carbonosa, escura, chamada húmus. A parte subjacente ao solo se denomina subsolo. O ramo das ciências da Terra que estuda o solo chama-se pedologia ou edafologia.


Formação do solo. As rochas que afloram sobre a superfície terrestre, submetidas à ação modificadora de diversos agentes, dão origem aos solos. Um solo pode originar-se de qualquer tipo de rocha: sedimentar, magmática ou metamórfica. Os principais fatores que influem na formação do solo são: (1) material da rocha matriz; (2) ação dos organismos vivos; (3) tempo; (4) clima; e (5) relevo.
As características de um solo dependem em grande parte da rocha matriz, mas há outros fatores que contribuem decisivamente em sua formação. O tempo, por exemplo, é um fator importante, pois cada tipo de material tem sua velocidade de decomposição: um folhelho se decompõe mais rapidamente que uma rocha magmática. O clima tem grande influência sobre o intemperismo e, por isso, é outro fator de grande importância. A influência do relevo se percebe na diferença existente entre os solos das regiões fortemente inclinadas e os das regiões planas, devido às condições de drenagem, entre outros fatores.
Chamam-se solos residuais os que repousam sobre a própria rocha matriz de que derivaram. Nesse caso, observa-se em seu perfil uma transição gradual do solo para o subsolo, e deste para a rocha matriz. Os solos formados de material trazido de pontos afastados pela ação de agentes geológicos chamam-se solos transportados.


Perfil do solo. Um solo é dito maduro quando, depois de sujeito por longo período a diferentes condições climáticas, adquire características peculiares. A seção de um solo maduro mostra um perfil constituído de três horizontes principais, designados A, B e C, que diferem em cor, textura, estrutura e composição, e variam em espessura. O horizonte A é fofo, rico em matéria orgânica, útil para as culturas; o horizonte B, rico em argilas ou em minerais de ferro e pobre em húmus, é inútil para culturas de ciclo curto; o horizonte C corresponde principalmente à rocha decomposta.


Classificação dos solos. Os solos se reúnem em classes determinadas primeiramente pelo tipo de clima em que se originaram. Chamam-se lateritos os solos desenvolvidos por processos de intemperismo próprios de climas quentes e úmidos. Ricos em óxidos de ferro e alumínio com lixiviação de sílica, os lateritos apresentam cor vermelha ou amarela. Tchernoziom (em russo, "terra negra") é a nome dado aos solos negros de clima temperado, subúmido. O solo podzólico, de cor cinza, é típico de clima frio, úmido.
No Brasil, há designações populares para distinguir tipos de solos. No estado de São Paulo, dá-se o nome de terra roxa aos solos originários da decomposição de diabásicos ou basaltos. São solos lateríticos riquíssimos em óxidos hidratados de ferro (e de matéria orgânica, quando virgens), de cor marrom-avermelhada. Podem atingir vinte metros de profundidade. A designação massapê é usada no Norte do Brasil para solos pretos argilosos, calcíferos. Em São Paulo, o mesmo nome se aplica aos solos argilosos, provenientes da decomposição de xistos metamórficos. O salmourão é um solo areno-argiloso, proveniente da decomposição de granitos e gnaisses.