Formação dos ossos - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Formação dos ossos


 Histologia

Apesar de a formação dos ossos se iniciar durante as primeiras semanas de vida intra-uterina, esta leva muito tempo até ficar concluída, visto que apenas se obtém a constituição definitiva de todos os ossos do esqueleto no final da adolescência. Para além disso, inicialmente, o esqueleto em vez de ser formado por osso, é constituído por cartilagem, um tecido muito mais flexível e elástico que não apresenta minerais na sua constituição. No entanto, ao longo do crescimento, esta cartilagem vai sendo progressivamente substituída por osso, através de um processo denominado ossificação.

Como a ossificação compreende várias etapas, costuma ser um processo lento e complexo. A primeira fase consiste na formação do molde cartilagíneo de cada osso e do seu revestimento bastante resistente, denominado pericôndrio. A partir deste revestimento, existem células cartilagíneas ativas, denominadas condroblastos, que ao ocuparem o interior da substância produzem uma substância amorfa, sobre a qual os elementos minerais irão ser depositados. A última fase decorre a partir da morte dos condroblastos já maduros, ou condrócitos, mais precisamente depois de estes ficarem presos no meio de uma massa que não lhes permite a sua nutrição. É então que as células ósseas ativas, os osteoblastos, penetram através do revestimento exterior para o seu interior, com o objetivo de constituírem centros de ossificação a partir dos quais o osso vai sendo formado.

Embora os primeiros núcleos de ossificação apareçam durante a vida intra-uterina, na infância existem outros novos que ao aparecerem vão progressivamente substituindo a cartilagem, o que permite ao osso crescer em espessura e em comprimento até atingir a sua forma definitiva. Consequentemente, os ossos apenas estão formados por completo quando toda a cartilagem for substituída por osso, o que acontece ao longo da infância.

Os ossos longos aumentam de comprimento graças à existência de cartilagens de conjugação. Trata-se de zonas muito ativas, onde apenas existe cartilagem, a partir das quais se vai formando um novo osso. As zonas de transição entre o osso já formado e a cartilagem são denominadas de metáfises. A influência dos hormônios produzidos durante a puberdade faz com que as cartilagens de conjugação sofram um processo de ossificação, o que provoca a paragem do desenvolvimento dos ossos longos. O fim da puberdade determina o tamanho definitivo do indivíduo.