Compra dos alimentos - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Compra dos alimentos


 Nutrição

Alimentos frescos


Todos os alimentos frescos exigem uma adequada conservação até ao momento da compra e é o próprio comprador que se deve certificar de que o seu estado é óptimo no momento da aquisição - pode-se ter confiança no vendedor, mas é preferível ter em conta alguns factores.

Carne. A carne deve estar sempre exposta em arcas refrigeradas, pois re quer normas exigentes de conservação. A coloração é um bom indicador do estado deste tipo de produto, mas deve-se ter em conta também que cada tipo de carne apresenta uma tonalidade di ferente dependendo do animal, da sua idade e dos diversos cortes: a carne de leitão é esbranquiçada, a de porco e a de borrego apresentam um tom rosa pálido ou um pouco mais escuro, a de vitela é rosada, a de vaca é vermelha viva, etc. No entanto, a cor nem sempre reflecte o verdadeiro estado da carne, principalmente se estiver sob luz artificial. De qualquer modo, o melhor é verificar se a cor é homogénea.

O talhante deve indicar a qualidade de cada animal, ou seja, a raça, a idade, o sexo e as condições de criação. Os vários cortes são catalogados em diversas categorias segundo o seu aspecto e textura, mas sem que isso implique diferenças ao nível nutricional. As categorias apenas podem condicionar as formas de preparação: os escalopes de vitela de primeira categoria podem ser feitos na frigideira, enquanto que as peças de segunda e terceira categoria podem destinar-se a pratos mais elaborados, como cozidos ou estufados.

Aves. A qualidade de uma ave depende das condições de criação, da alimentação e da idade. Se é vendida embalada, a etiqueta pode informar sobre a origem, a alimentação e a idade, mas raramente sobre as condições de criação. As aves podem ser vendidas inteiras, com ou sem miúdos, ou já cortadas, o que não põe em causa a sua qualidade nutricional ou o seu estado. Uma boa forma de inspeccionar o estado deste tipo de produto é verificar a coloração das asas: em caso de decomposição, são as primeiras partes que se modificam, ficando mais escuras.

Peixe. Os principais sinais de frescura do peixe são o odor suave, de aroma marinho, a carne firme e elástica, a pele firme e brilhante, com as escamas bem agarradas, as guelras avermelhadas, mas sempre de cor uniforme e os olhos salientes, esféricos e transparentes. Graças às modernas técnicas de congelação e conservação, actualmente o risco de comprar peixe estragado é reduzido.

Há que ter igualmente em conta que tanto para o peixe, como para o marisco, existem épocas de captura específicas que convém aproveitar, ainda que as diferenças estejam mais relacionadas com o aspecto económico do que com o nutricional. Do mesmo modo, a principal diferença entre o peixe fresco e o congelado é a nível económico, pois ambas as formas apresentam valores nutricionais idênticos.

Ovos. Deve verificar sempre se a casca dos ovos está intacta: se apresentar orifícios ou fissuras é melhor recusar o produto, pois poderá estar contaminado. A cor da casca, o tamanho ou o peso dos ovos, factor que determina a sua diferenciação em categorias, não são aspectos a ter em conta, uma vez que não têm qualquer relação com as características nutricionais do produto.

Leite e derivados. Ao comprar leite e derivados frescos como, por exemplo, o iogurte, deve-se verificar se se encontram em frigoríficos ou vitrinas refrigeradas - apenas o leite esterilizado não exige este requisito. Para além disso, tendo em conta que a sua duração é muito limitada, deverá comprovar sempre o prazo de validade e calcular se irá ser consumido antes desse limite.

Em relação aos queijos que se consomem crus, são essenciais algumas normas higiénicas que previnam qualquer contaminação e que o comprador deve exigir que sejam cumpridas: os funcionários não devem mexer-lhes com as mãos nuas, principalmente se mexem em dinheiro, e cada tipo deve ser cortado com uma faca própria, uma para queijos frescos e outra para queijos secos.

Verduras e fruta. Convém escolher sempre produtos frescos da época, uma vez que costumam ter mais vitaminas e um melhor sabor do que os produtos recolhidos fora de época e mantidos através de um determinado método de conservação, para além de serem mais económicos. Pelo contrário, não é tão importante o tamanho ou a cor, pois não determinam a sua qualidade nutricional.

 

Alimentos embalados

Todos os alimentos embalados devem dispor de etiquetas, nas quais deverá constar informação sobre a natureza do produto, a sua proveniência, os ingredientes, incluindo os aditivos, o peso ou volume, a data de consumo aconselhável e de validade e as normas de conservação após a abertura da embalagem. Estas informações são de grande importância, pois permitem saber com exactidão o que se está a comprar e estabelecer comparações com outros produtos semelhantes.
Por outro lado, é fundamental verificar se a embalagem está intacta, se o produto está hermeticamente fechado, pois é a única garantia de que não está contaminado. Ao comprar conservas, uma precaução de máxima importância é verificar se a lata não está muito deformada, devido às consequências de pequenos golpes externos, e em especial se não parece inchada  o produto poderia estar contaminado por microorganismos produtores de gases, como os responsáveis pelo botulismo, doença muito perigosa que pode levar à morte.

 

Congelados

Os produtos congelados têm uma qualidade nutricional equiparável à dos produtos frescos e, por vezes, superior: é o caso dos que são submetidos à congelação imediatamente após a sua colheita, no caso dos vegetais, ou da sua captura, no caso dos animais, garantindo o seu potencial vitamínico. Assim, o mais importante na hora de comprar estes produtos não está tanto relacionado com o conteúdo nutritivo, mas com a sua conservação - é fundamental verificar se mantêm uma temperatura adequada, concretamente a -18°C.

Prazo de validade

Nas embalagens dos alimentos podem constar diferentes datas que se referem a várias situações, como a sua duração em condições apropriadas para posterior consumo. Uma delas é a de consumir de preferência antes de:, também denominada conservar até: refere-se ao momento até ao qual, segundo o fabricante, o alimento mantém todas as suas qualidades nutricionais e higiénicas, desde que se respeitem as condições de conservação aconselhadas na própria embalagem. É de notar, no entanto, que esta data não supõe um limite restrito para o consumo do produto: se passar dessa data, deverá apenas certificar-se de que o alimento mantém as suas características normais e apenas deve excluí-lo caso verifique uma alteração do seu aspecto, da cor ou do odor habituais. Uma outra informação que deve sempre constar em qualquer embalagem e que marca o limite exacto da vida consumível do alimento é o consumir até: uma vez ultrapassado este limite não há qualquer garantia de que o produto mantenha as qualidades adequadas para consumo, ainda que a sua aparência seja normal. Neste caso deve ser deitado fora.

 

Fonte: Medipedia.pt