Ciclóstomos, Peixes Cartilaginosos e Peixes Ósseos - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Ciclóstomos, Peixes Cartilaginosos e Peixes Ósseos


 Ictiologia

1. Ciclóstomos

A classe Cyclostomata (cyklos, circular, e stoma, boca) inclui poucos representantes, entre eles as lampreias, encontradas em ambiente marinho e de água doce, e as feiticeiras, exclusivamente marinhas. Possuem boca circular e desprovida de mandíbula, o que explica a designação de agnatas (gnathos, mandíbula).

A lampreia tem corpo cilíndrico. As nadadeiras são pequenas, mas isso não restringe seus movimentos natatórios, executados por ondulações do corpo. A boca é semelhante a um funil, com dentes e língua. Apresenta, lateralmente no corpo, sete pares de fendas branquiais, por onde sai a água que banha as brânquias, órgãos respiratórios.

A epiderme é lisa e desprovida de escamas. A notocorda persiste nos adultos, mas o encéfalo é recoberto por uma caixa craniana; há uma rudimentar coluna vertebral, com arcos costais. Essas estruturas de sustentação têm constituição cartilaginosa, e não óssea.

Como os peixes, as lampreias possuem o sistema da linha lateral, série de pequenos orifícios dispostos em linha, na região lateral do corpo. Por eles, a água entra em contato com uma grande quantidade de células sensoriais ciliadas. Por meio desse sistema, o animal é capaz de perceber vibrações e alterações de pressão, na água.

A maioria das lampreias é ectoparasita. Fixam-se em peixes através da boca afunilada, e abrem orifícios na pele com a língua denteada. São hematófagas (alimentam-se de sangue).

As lampreias são dióicas, a fecundação é externa e o desenvolvimento é indireto. Há passagem por um estágio larval chamado amocete. Essas larvas são semelhantes aos anfioxos, desprovidas de olhos e de dentes.

As feiticeiras não são ectoparasitas, mas necrófagas, pois se alimentam de animais mortos, como peixes.

 

2. Peixes Cartilaginosos

O nome Chondrychthyes (do grego chondros, cartilagem, e ichthyos, peixe) reflete a característica distintiva mais marcante desses animais: o esqueleto formado por tecido cartilaginoso, e não por tecido ósseo. São os tubarões, as quimeras e as raias.

A maioria dos representantes é marinha, embora haja alguns de água doce. Como aquisição em relação aos ciclóstomos, possuem mandíbula, nadadeiras pares e mais desenvolvidas e um esqueleto melhor estruturado. O corpo é recoberto por escamas.

Os tubarões machos possuem um par de nadadeiras ventrais com modificações chamadas clásperes. São estruturas empregadas na cópula, deposição dos espermatozóides no interior do corpo das fêmeas. A cauda é heterocerca, ou seja, a porção superior é bem diferente da porção inferior.

A boca ocupa posição ventral; os olhos não são recobertos por pálpebras; há cinco (ou mais) fendas branquiais. Podem ser encontrados alguns depósitos de sais de cálcio no esqueleto cartilaginoso.


Os condríctes não possuem estruturas de flutuação, como a bexiga natatória. Como são mais densos que a água, nadam constantemente para não afundarem. O fígado é muito rico em óleo, o que auxilia a manter a densidade corporal não muito superior à da água.

O intestino dos tubarões é curto, mas a área disponível para a absorção de nutrientes é ampliada pela presença de uma prega helicoidal no seu interior, a válvula espiral.

Os peixes cartilaginosos são dióicos, sua fecundação é interna e o desenvolvimento é direto. Algumas espécies são ovíparas (eliminam os ovos, chocados fora do corpo) e outras ovovivíparas (os ovos são chocados no interior do corpo da fêmea). Há casos de tubarões vivíparos, cujos embriões desenvolvem-se no corpo materno e se alimentam de substâncias que retiram do sangue da fêmea.

Seus embriões contam apenas com um anexo embrionário, o saco vitelínico. Nos alevinos de algumas espécies, essa estrutura ainda pode ser observada, como uma bolsa aderida ao abdome.

 

3. Peixes Ósseos

Os peixes da classe Osteichthyes (do grego osteos, osso, e ichthyos, peixe) possuem esqueleto ósseo. Ocupam ambientes de água doce ou marinhos. As escamas que recobrem o corpo dos osteíctes são de origem dérmica, diferentemente das escamas dos condríctes, de origem epidérmica.


Acima do estômago, os osteíctes apresentam uma bolsa esbranquiçada cheia de gás, chamada bexiga natatória. Trata-se de um órgão de equilíbrio hidrostático, ou seja, que auxilia na manutenção do peixe em certa profundidade. Ajustando o volume de gás presente na bexiga natatória, o peixe é capaz de manter-se em flutuação neutra em diferentes profundidades.

A boca desses peixes é anterior, e as câmaras branquiais são cobertas por placas ósseas móveis, os opérculos. Graças aos movimentos sincronizados de abertura e fechamento da boca e dos opérculos, o peixe estabelece um contínuo fluxo de água, entrando pela boca e saindo pela abertura lateral do opérculo. Isso garante a renovação da água em contato com as estruturas respiratórias branquiais, com a chegada de oxigênio e a eliminação do gás carbônico.


Nos peixes dipnóicos, a membrana da bexiga natatória é vascularizada e permite a realização de trocas gasosas entre o ar presente no interior e o sangue. Esses "peixes pulmonados" podem resistir a longos períodos de seca, quando permanecem entocados em buracos no fundo lamacento dos rios. A pirambóia, encontrada no Brasil, é um exemplo de peixe dipnóico.

A boca fica localizada anteriormente. Cecos pilóricos do estômago produzem enzimas digestivas, melhorando a capacidade digestória. A nadadeira caudal é homocerca ou dificerca.
A bexiga natatória é um órgão hidrostático (regula a densidade do peixe).Em algumas espécies a bexiga natatória não está ligada ao tubo digestivo (peixes fisoclistos). Quando a bexiga natatória está ligada ao tubo digestivo os peixes são do tipo fisóstomos.
As escamas são de origem dérmica e dos tipos ciclóide e ctenóide.

A forma do corpo em geral é hidrodinâmica, contendo glândulas que secretam muco na pele, facilitando a locomoção no meio aquático.
São dióicos e muitas vezes apresentam dimorfismo sexual. A reprodução é sexuada e em geral com fecundação externa. Nas espécies de fecundação interna a nadadeira caudal modificada atua como órgão de cópula. A maioria é ovípara. Há porém, espécies vivíparas. Possuem apenas o anexo saco vitelino. A forma jovem (larval) é o alevino. Muitos peixes de água doce realizam o fenômeno da piracema, isto é, sobem os rios na época da reprodução (= anádromos).