Bugio - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Bugio


 Zoologia

Os bugios, também chamados de guaribas ou barbados, estão entre os maiores símios das Américas, podendo medir até cinqüenta centímetros de altura.
Macaco da família dos cebídeos, a mesma dos sagüis, o bugio pertence ao gênero Alouatta. Devido ao grande desenvolvimento do hióide, osso que fica entre a laringe e a base da língua e que nele funciona como uma caixa de ressonância, é capaz de fazer tremenda gritaria, em geral ao amanhecer ou ao cair da noite, guiado pelo chefe do bando ou "capelão", que quase sempre é o indivíduo mais forte e mais velho. À noite, no recesso da floresta amazônica, um concerto ou roncaria de bugios causa impressão inesquecível, com diferentes bandos parecendo comunicar-se a distância aos gritos.
Os machos velhos têm pelagem basta, barba longa e cerrada e longa cauda preênsil, que utilizam com extrema habilidade, enroscando-a firmemente nos galhos, em seus deslocamentos pelas copas das árvores. Os bugios se alimentam de frutas, folhas e brotos. Consta entre o povo que seus roncos, com freqüência, são prenúncio de chuva. As mães dedicam muita atenção aos filhotes, carregando-os nas costas quando ainda novos.
No Brasil há cinco espécies e outras tantas subespécies. Das espécies amazônicas, destacam-se o bugio-preto-de-mão-ruiva (Alouatta belzebuth), da ilha de Marajó e áreas vizinhas, e o bugio-vermelho (A. seniculus), já localizado junto dos rios Amazonas, Juruá e Purus. No leste e centro do Brasil foi registrada a ocorrência do bugio-ruivo (A. fusca) e do bugio-preto (A. caraya), espécies que se tornaram cada vez mais raras.