As Desfesas Artificias - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



As Desfesas Artificias


 Imunologia

Em condições normais, o organismo dispõe de mecanismos para a se defender dos agressores, às vezes é necessária uma intervenção externa, para uma reação mais rápida ou mais eficiente. logo, se lança mão das defesas artificiais, como o soro, a vacina e antibióticos.

O soro

Alguns acidentes como ferimentos que possam estar contaminados ou mordidas de animais, devem ser tratados com anticorpos produzidos por outros animais, que forma préviamente colocados em contato com o agnete causador infeccioso (antígeno) ou como o veneno. Esperar que o organismo produza anticorpos, pode ser uma medida não acertada, pois esta produção pode ser muito lenta, o que daria tempo para a proliferação do agente infeccioso e da ação do alto poder tóxico do veneno.

Esta substãncia obtida a aprtir do sangue de outros animais é o soro, que contém uma quantidade apreciável de anticorpos prontos, que começam imediatamente a neutralizar o antígeno. Isso dá tempo ao indivíduo doente para produzir seus próprios anticorpos e impedir a progresão da infeccção ou da intoxicação.
A preparação do soro se faz em animais como cavalos, coelhos, cabras que recebem quantidades não mortais de antígeno, em doses progresivamente maiorese, com isso, produzem grande quantidade de anticorpos. O soro é então retirado do sangue do animal e armazenado para o uso quando necessário.
este tipo de imunidade é chamada passiva, pois o indivíduo já recebe os anticorpos prontos.

A vacina

Até o final do sécuço XVIII, um grande número de pessoas morria em consequência de uma doença chamada varíola. No entanto, quem contraia a moléstia e conseguia sobreviver jamais contraía a varíola outra vez.
O gado bovino também apresentava uma doença semelhante, embora menos grave.
Os indivíduos que ordenhava as vacas doentes às vezes desenvolviam a moléstia, ficando comferidas na pele, principalmente das mãos.
Naquela época, vivia na Inglaterra um médico chamado Edward Jenner. Ele observou que as pessoas que haviamm contarído essa moléstia do gado não eram gravemente atacadas por varíola.

Usando uma agulha esterelizada, Edward retirou um pouco de pús da ferida de uma mulher portadora da varíola bovina, colocando-o nas escoriações que fez na pela de um menino sadio.
Em pouco tempo o menino adoeceu, mas restabeleceu-se por completo em dois meses.
Para cpmpletar sua experiência, o médico injetou nesse garoto, já curado, pus retirado de um indivíduo com varíola humana. A criança não contraiu a doença,

A palavra vacina (do latimvaccina, que quer dizer "de vaca") surgiu do fato de Jenner retirar de vacas o material que aplicava nas pessoas sadias.

A vacinação consiste em injetar no organismo vírus ou bactérias mortos ou atenuados, ou ainda partes destes que podriam ser reconhecido pelo corpo como um antígeno, de maneira que o organismo reaja (sem ficar doente) produzindo anticorpos específicos.
Alguns casos, para se obter um volume razoável de anticorpos, é necessária a vacinação por três ou mais vezes (reforço), pois o tempo que os anticorpos permanecem no organismo é variável.
A defesa através da vacina é um tipo de imunidade ativa, onde o próprio corpo fabrica os anticorpos.

Os antibióticos

A história dos antibióticos começou em 1928, quando o escocês Alexander Fleming (1881 - 1955) observou que uma colônia de bactérias não cresceu em um meio de cultura contaminado por fungos. Ele deduziu então que o fungo deveria produzir alguma substância que impedia a multiplicação das bactérias. Mais tarde tal substãncia foi realmente isolada de um tipo de fungo, o Penicilim notatum, recebendo por isso o nome de penicilina.
Os antibióticos só passaram ser usados com mais sucesso contra diversos tipos de infecção, por volta de 1940.
Os antibióticos só devem ser usados com prescrição médica. Usados aleatoriamente, poderão ocasionar danos ao organismo.

Às vezes o médico acha necessário realizar um antibiograma para detectar qual o antibiótico mais eficiente contra determinada bactéria. Para isso, recolhe-se um pouco de material contaminado do paciente (urina, escarro) e cultiva-se a bactéria no laboratório, em meios apropriados de cultura. Colocam-se o material em discos de papel embebecido em diversos antibióticos e, após 24 horas, pode-se observar qual o antibiótico mais eficiente.

5004px;">

Newsletter