Aquecimento da Antártida e do Ártico - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



Aquecimento da Antártida e do Ártico


 Meio Ambiente

As regiões polares da Terra são locais onde a mudança climática está tendo impactos visíveis e significativos. O gelo do mar e da água doce glacial está derretendo também por causa da liberação dos gases de efeito estufa em muitas espécies que possuem dificuldades em se adaptarem às mudanças de escalada.

Barômetros das Mudanças Climáticas Globais

Sinais de mudança sem precedentes abundam nos polos da Terra. O gelo marinho no Ártico diminuiu drasticamente nos últimos. As plataformas de gelo da Antártida maciças estão se desintegrando e rompendo. Os sinais de mudança são mais penetrantes do que a atenção agarrando quedas de gelo do mar e as plataformas em colapso.

A imensidão do Ártico é composta de solo permanentemente congelado, chamado PERMAFORST (algo como congelado de maneira vitalícia). Suporta estradas, oleodutos e edifícios. Como o aumento das temperaturas o degelo do permafrost e da infraestrutura torna-se distorcido e instável.

Para além do impacto visível do chão o descongelamento representa ameaça por causa do carbono e metano que bloqueiam o gelo e o fundo das águas frias do Ártico durante milhões de anos. Como temperaturas quentes acabam liberando maior índice de gases do efeito estufa e por consequência provocando o aquecimento.

Mudanças do Permafrost e Impacto

Com ponto de inflexão o processo assume que seria quase impossível de retardar a ação. Os cientistas estão preocupados porque a liberação de carbono e metano de derretimento do permafrost no Ártico poderia ser um dos vários pontos de ruptura. Outro ponto crítico está na mudança de albedo (na medida em que a superfície pode refletir a luz solar) de gelo e de neve reflexiva à água.

Neve sentada em cima do gelo do mar reflete a cerca de 90% da energia do sol, ao passo que água aberta absorve cerca de 90%. Assim, como a água aberta do oceano absorve mais calor e faz com que o gelo do mar desapareça, expõe a outro processo que recomeça.

Aquecimento Global na Antártida: Nichos Ecológicos em Modificação

Aquecimento do Ártico ameaça o futuro do planeta. Evidências demostram que algumas espécies lutam para sobreviver em regiões polares mais quentes. Mesmo pequenas mudanças nas condições são suficientes para trazer impactos graves. No Ártico todo ecossistema depende da presença de gelo marinho. A partir do plâncton que vivem no fundo do mar de gelo até todo o caminho das focas e ursos polares.

Morsas possuem tempos difíceis porque dependem do gelo marinho flutuando perto de terra para transportar para fora. Como esse mar de gelo desaparece, alguns filhotes morsas se afogam no mar e outros são esmagados até a morte durante tumultos em praias lotadas. A história da Rússia sobre o impacto do declínio do mar de gelo para morsa representa exemplo interessante do declínio dos habitas e porcentagens de chances em permanecerem vivos.

A colônia do pinguim Imperador Adelie na Terra da Antártida pode diminuir em 95% antes do fim do século se o gelo do mar continuar a cair como no ritmo atual. Isso colocaria a população em sério risco de extinção. Outras colônias do tipo imperial poderiam enfrentar situação semelhante. Mudanças climáticas ameaçam uma série de espécies árticas, incluindo a raposa do ártico, que continua a perder terreno como a raposa vermelha que se move para o norte.

Mudanças no Mar

Tanto no Ártico como na Antártida enormes plataformas de gelo teriam se afastado em escala sem precedentes nos últimos anos. Os cientistas dizem que os céticos estão interpretando de maneira errada o que está acontecendo na Antártica. Enquanto o gelo ártico está diminuindo, o gelo da Antártida está crescendo.

Na Antártida o gelo do mar atingiu recorde de 7.510 mil milhas quadradas, em setembro de 2012. Isso aconteceu apenas alguns dias depois de relatos da maior perda de gelo do mar Ártico no registro. Céticos da mudança climática aproveitaram o gelo antártico argumentando que o mundo não está se aquecendo. Este crescimento sutil no gelo do mar de inverno, desde que os cientistas começaram a medir em 1979, foi surpreendente na fase inicial.

Especialistas e Aquecimento da Antártida

“Um mundo mais quente pode ter consequências complexas e surpreendentes”, diz o pesquisador Ted Maksym a analisar um navio de pesquisa australiano cercado por gelo antártico mar, na Instituição Oceanográfica Woods Hole, em Massachusetts. Muitos especialistas entram em convergência com Maksym: “Parece absurdo, mas a Antártida também faz parte do aquecimento também”.

David Vaughan, da Pesquisa Antártica Britânica diz que sim, o que está acontecendo na Antártica tem as impressões digitais do homem nas mudanças climáticas. “Cientificamente a mudança não é nem de perto tão importante quanto o que vemos no Ártico”, diz o cientista da NASA Waleed Abdalati, especialista em gelo. “Mas isso não quer dizer que não deveria estar prestando atenção a ela”. O crescimento dos níveis é mais perceptível em setembro, quando o gelo do norte está em seu menor gelo e o sul no período elevado.

Perda de gelo marinho no Ártico pode afetar pessoas no Hemisfério Norte, fazendo com que coisas como a um maior risco de condições meteorológicas extremas em os EUA através de mudanças na corrente de jato, dizem os cientistas. Peculiaridades climáticas da Antártida, por outro lado, não têm muito efeito sobre a civilização.

Enquanto o Ártico é mar aberto cercado por terra, a Antártica – cujo tamanho se equivale a quase dois EUA – a terra está cercada pelo oceano, deixando mais espaço para o gelo do mar a se espalhar. O gelo do Ártico responde de forma direta ao calor. Na Antártida as alterações na força e movimento dos ventos agora pressionam o gelo maior amplitude ao norte, estendendo alcance.

Essas mudanças de vento são amarradas em um caminho complicado para a mudança climática a partir de gases de efeito estufa. A mudança climática criou uma parede de vento que mantém o tempo fresco engarrafado na Antártida. O vento funciona em combinação com o buraco de ozônio. A enorme lacuna na camada de ozônio, que geralmente aparece sobre o polo sul, é a maior dentro  da América do Norte.