A hematopoiese - BioMania
O melhor portal biológico da internet!



A hematopoiese


 Histologia

A hematopoese, também conhecida como hemocitopoese ou hematopoiese é o processo de renovação celular do sangue por meio de processos mitóticos, pois estas células possuem vida muito curta. Esse processo ocorre nos órgão hemocitopoéticos (ou hematopoéticos).

As primeiras células sanguíneas do embrião surgem muito precocemente, no mesoderma do saco vitelínico. Posteriormente, o fígado e o baço funcionam como órgãos hemocitopoéticos temporários. Entretanto, no segundo mês de vida intra-uterina, já é iniciado o processo de ossificação da clavícula e tem início a formação da medula óssea, que se torna cada vez mais importante como órgão hemocitopoético.

Na vida pós-natal, os eritrócitos, granulócitos, linfócitos, monócitos e plaquetas se originam a partir de células-tronco da medula óssea vermelha. Conforme o tipo de glóbulo formado, o processo recebe os seguintes nomes: eritropoese, granulocitopoese, linfocitopoese, monocitopoese e megacariocitopoese. Muitos linfócitos são formados na medula óssea, porém existe proliferação dessas células nos órgãos linfáticos, a partir de linfócitos originados na medula óssea. As células sanguíneas passam por muitos estágios de diferenciação e maturação na medula óssea, antes de passarem para o sangue.

Células-tronco

As células-tronco originam células filhas que seguem dois destinos diferentes: uma permanece como células-tronco, mantendo a população destas células, e outras se diferenciam em outros tipos celulares com características específicas. O pool de células-tronco se mantém constante porque as que se diferenciam são substituídas por células filhas que se mantêm nesse pool.

Acredita-se que todas as células sanguíneas derivam de um único tipo celular da medula óssea, por isso recebe o nome de célula-tronco pluripotente. Estas últimas proliferam e originam duas linhagens: a das células linfóides, que vai dar origem aos linfócitos, e a das células mielóides, que origina os eritrócitos, granulócitos, monócitos e plaquetas. Durante sua diferenciação, os linfócitos são transportados pelo sangue para os linfonodos, timo, baço e outros órgãos linfáticos, onde proliferam.

A proliferação dessas células origina células-filhas com potencialidade mais baixa. Essas células filhas são células progenitoras uni- ou bipotentes que produzem as células precursoras (blastos). É nessas células que as características morfológicas diferenciadas das linhagens aparecem pela primeira vez, pois morfologicamente, as células-tronco pluripotentes e as progenitoras são indistinguíveis morfologicamente.

As células-tronco pluripotentes se diferenciam apenas o necessário para manter sua população, que é reduzida. A freqüência das mitoses aumenta muito nas células progenitoras e precursoras. As células progenitoras, quando se dividem, podem originar outras células precursoras, mas as precursoras só originam células sanguíneas.

A hematopoese resulta da proliferação e diferenciação simultâneas de células-tronco que, à medida que se diferenciam, vão reduzindo sua potencialidade. As células-tronco mielóides originam hemácias, granulócitos, monócitos e megacariócitos, aparecendo todos esses tipos celulares na mesma colônia. As células-tronco linfóides originam apenas linfócitos.

O processo de hematopoese depende de alguns fatores, como: um microambiente adequado e da presença de fatores de crescimento. O microambiente é favorecido pelas células do estroma dos órgãos hematopoéticos. Desde que haja o microambiente, o desenvolvimento das células sanguíneas depende de fatores que influem sobre a proliferação e diferenciação. Esses fatores são substâncias denominadas fatores de crescimento ou fatores estimuladores de colônias, responsáveis por estimular a proliferação e a diferenciação das células imaturas e a atividade funcional das células maduras.

Medula Óssea

A medula óssea é um órgão difuso, porém volumoso e muito ativo. Num adulto normal, produz por dia, cerca de 2,5 bilhões de eritrócitos, 2,5 bilhões de plaquetas e 1,0 bilhão de granulócitos por kg de peso corporal.

Esse órgão está localizado dentro do canal medular dos ossos longos e nas cavidades dos ossos esponjosos. Existem três tipos de medula óssea:

  • Medula óssea vermelha: nos recém-nascidos, esta medula é muito ativa na produção de células sanguíneas. Com o avanço da idade, a maior parte dessa medula transforma-se em medula óssea amarela, sendo que no adulto, a vermelha é encontrada apenas no esterno, vértebras, costelas, díploe dos ossos do crânio e, no adulto jovem, nas epífises proximais do fêmur e do úmero.
  • Medula óssea hematógena: deve sua cor à presença de diversos eritrócitos em diferentes estágios de maturação.
  • Medula óssea amarela: esta é rica em células adiposas e não produz mais células sanguíneas, exceto em casos de hemorragias, onde a medula óssea amarela pode transformar-se em medula óssea vermelha e voltar a produzir células do sangue.

Diferenciação Sanguínea

Antigamente, no século XIX e XX, os pesquisadores classificavam as células sanguíneas em duas categorias, de acordo com seu local de origem: medula óssea ou órgãos linfóides (gânglios linfáticos, baço e timo). A hipótese aceita atualmente é a de que todas derivam da medula óssea.

A “estirpe mielóide” diz respeitos aos eritrócitos, plaquetas, leucócitos granulares (neutrófilos, basófilos e eosinófilos) e monócitos-macrófagos. O nome do desenvolvimento dessas células recebe o nome de mielopoiese. A “estirpe linfóide” diz respeitos, unicamente, aos linfócitos, que podem ser do tipo linfócito B e linfócito T, sendo conhecido por linfopoiese o desenvolvimento dessas células.

  • Eritrocitopoiese: de acordo com o grau de maturação, as células eritrocíticas são chamas de: proeritroblastos, eritroblastos basófilos, eritroblastos policromáticos, eritroblastos ortocromáticos (ou acidófilos), reticulócitos e hemácias.
  • Granulocitopoiese: o mieloblasto é a célula mais imatura já determinada para formar exclusivamente os três tipos de granulócitos. Quando surge nela granulações citoplasmáticas específicas, ela passa a receber o nome de promielócito neutrófilo, eusinófilo ou basófilo, de acordo com o tipo de granulação presente. Os estágios seguintes de maturação são o mileócito, o metamielócito, o granulócito com núcleo em bastão e o granulócito maduro (neutrófilo, eosinófilo e basófilo).
  • Monopoiese: as plaquetas se originam na medula óssea vermelha pela fragmentação de pedaços do citoplasma dos megacariócitos. Este, por sua vez, forma-se pela diferenciação dos megacarioblastos.
  • Linfocitopoiese: processo de formação dos linfócitos. A célula mais jovem da linhagem é o linfoblasto, que forma o prolinfócito, formando este, por sua vez o linfócito maduro. O linfócito B sai maduro da medula óssea, enquanto que os linfócitos T migram para o timo para completarem o processo de maturação.